Empresa investirá R$ 100 milhões na construção de fábrica de cimento no RS

Estiveram reunidos com o governador Eduardo Leite nesta sexta-feira (21/2), no Palácio Piratini, representantes da Hipermix, de São Paulo, e o empresário uruguaio Diego Lugano. A Hipermix anunciou a construção de uma fábrica de cimento e argamassa em Montenegro. Todo o progresso e a estruturação do projeto estão sendo feitos pela empresa gaúcha M.Stortti.

Com investimento inicial de R$ 100 milhões, o empreendimento deverá produzir 100 mil toneladas de cimento por ano, mas com potencial para cinco vezes mais quando a capacidade total for instalada.

A nova fábrica, que ficará no Distrito Industrial do município, deve ter a primeira fase concluída entre o fim de 2020 e o início do próximo ano. Serão gerados imediatamente 30 ocupações diretos e 120 indiretos, números que deverão aumentar na medida em que os trabalhos avançarem.

“Recebemos a notícia com especial entusiasmo pela decisão de investirem aqui no RS. Não vamos poupar esforços em tudo que for de nossa responsabilidade, além de auxiliar nas demais articulações necessárias, para que se confirmem os investimentos com o máximo de celeridade possível”, destacou o governador.

Conforme os investidores, Montenegro foi escolhido devido ao potencial logístico de recebimento de matéria-prima vinda localmente e também da possibilidade de vir do Uruguai, bem como a facilidade para distribuição do produto final para mercados estratégicos do RS, de SC e do PR, além de outros locais na nação brasileira, na Argentina e no Paraguai. A nova empresa também estuda o fornecimento de produtos ao Uruguai.

Também participaram do encontro o secretário estadual interino de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rubens Bender; Marcio Loucatelli, proprietário da Hipermix Brasil de SP e sócio da nova empresa em Montenegro; Maurênio Stortii, presidente da M.Stortti; deputado federal Nereu Crispim; deputado estadual Issur Koch; e o prefeito de Montenegro, Kadu Müller, entre outros representantes de empresas e órgãos governamentais.

Texto: Vanessa Kannenberg
Edição: Marcelo Flach/Secom