Instituições se alinham para potencializar pesquisas em olivicultura

A formação de um núcleo que envolve seis entidades para potencializar a área da olivicultura, integrando as linhas de pesquisa e pensando em formas de transferir os resultados dos estudos para o setor produtivo, foi tema de uma reunião realizada na semana passada. Participam da iniciativa a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Embrapa Clima Temperado e as universidades Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Federal de Pelotas (UFPel), Federal do Pampa (Unipampa) e Federal de Santa Maria (UFSM).

“Em um cenário de dificuldades financeiras, é muito importante otimizar recursos e pessoas para que o Estado evolua em conhecimento na área da olivicultura”, diz o secretário Covatti Filho. De acordo com a coordenadora da área de Olivicultura no Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA) da secretaria, Andréia Mara Rotta de Oliveira, o grupo tem o objetivo de captar recurso juntos, em vez de pulverizar. “De um modo geral, no país e no Rio Grande do Sul, a pesquisa está passando por uma reestruturação. A ideia é se unir e formar uma massa crítica mais forte para que possamos atuar em conjunto”, explica.

Em março, um comitê interno do núcleo vai se reunir para definir um calendário de atividades para 2020, a fim de pensar formatos para transferência dos resultados de pesquisa ao setor produtivo, seja em forma de seminários, seja por meio de dias de campo.

Andréia Mara Rotta de Oliveira Andréia de Oliveira explica que a ideia do grupo é construir conhecimento a partir da realidade do Rio Grande do Sul – Foto: Fernando Dias/Ascom Seapdr

“É uma cultura de alto risco, e poucas pessoas conhecem como trabalhar com oliveiras. O conhecimento vem de fora, do exterior. O que a gente pretende ao criar esse grupo é construir esse conhecimento a partir da nossa realidade”, explica Andréia. “O solo é diferente, o clima também, e há características distintas dentro das regiões do Estado.” A pesquisadora afirma que a ideia é construir o conhecimento dentro da realidade do Rio Grande do Sul, consolidar informações a partir de pesquisas feitas no Estado e dar retorno para o setor produtivo.

Pesquisas multidisciplinares

Desde 2016, o DDPA conta com um grupo de pesquisa multidisciplinar voltado para a cultura das oliveiras, composto por 22 pesquisadores, que vem trabalhando nos seguintes temas: desenvolvimento de um sistema de modelagem numérica de tempo e clima específico para a cultura das olivas, estudos sobre fenologia e exigências térmicas de variedades plantadas no Rio Grande do Sul, utilização de fungos benéficos que auxiliem na absorção de água e sais minerais na produção de mudas, biodiversidade de insetos e microrganismos para o controle de pragas e doenças, além de diagnóstico da fertilidade e status nutricional dos olivais.

Entre 2018 e 2019, o grupo participou de eventos nacionais e internacionais voltados para a área e publicou cinco artigos científicos com informações importantes sobre o trato da cultura. “Falamos sobre a antracnose, causada por espécies do fungo Colletotrichum spp, e o controle alternativo da cochonilha branca, ambos considerados os principais problemas fitossanitários da cultura; resultados sobre a fenologia das principais cultivares plantadas no Estado, além de informações sobre os hábitos dos consumidores em relação ao azeite de oliva no Rio Grande do Sul”, enumera Andréia.

Maior produtor nacional

O Rio Grande do Sul é o maior produtor de azeite e azeitonas em conserva do Brasil, com 1,55 mil toneladas de azeitonas para processamento de azeite, área plantada de 5 mil hectares e área colhida de 1 mil hectares. São 150 produtores, dez indústrias e 25 marcas de azeite gaúchas. Em 2019, foram produzidos 188 mil litros de azeite no Estado.

Texto: Elaine Pinto
Edição: Vitor Necchi/Secom

Leia mais: https://estado.rs.gov.br/instituicoes-se-alinham-para-potencializar-pesquisas-em-olivicultura