“Brasileiros concluem projeto de pavimentação para rodovia da soja”, informa artigo publicado no site americano Farm Progress

A pavimentação da BR-163/PA, inaugurada na semana passada, foi tema de artigo publicado no site norte-americano Farm Progress, veículo especializado em agricultura e pecuária. No artigo, o colunista James Thompson destaca o avanço logístico proporcionado pela entrega da rodovia e o crescimento da competitividade brasileira na exportação de grãos.

Clique aqui e confira o artigo.

Confira o artigo traduzido: 

Brasileiros concluem projeto de pavimentação para ‘rodovia da soja’ 

Há menos uma estrada lamacenta para caminhões carregados de soja e os dispêndios de transporte podem cair 20%

Você sabe como qualquer discussão sobre concorrência entre os EUA e a nação brasileira envolve falta de infraestrutura na América do Sul? Como todas essas estradas de terra da América do Sul não puderam competir com nossos dutos de rodovias, trens e hidrovias?

Isso está prestes a mudar.

Os brasileiros podem não ter lhe enviado um cartão de dia dos namorados este ano, mas provavelmente estavam pensando em você em 14 de fevereiro. Foi quando o presidente da nação brasileira, Jair Bolsonaro, voou para o estado do Pará para comemorar a conclusão de um trabalho de pavimentação que poderia mudar o campo da competitividade para os mercados de grãos. Os brasileiros terminaram de pavimentar uma estrada que até agora era mais uma armadilha de lama que engolia caminhões a caminho do estado de Mato Grosso, produtor de soja, para portos no Rio Tapajós, um afluente da Amazônia.

A rodovia BR-163 irá proporcionar dispêndios de transporte mais baratos entre os produtores de soja de Sinop, Mato Grosso, e o porto exportador de Itaituba.

Você deve ter visto fotos famosas de caminhões de grãos sendo engolidos na lama profunda, enquanto lutam para ir para o Norte das áreas de produção para os rios ao longo da rodovia federal conhecida como BR-163. Caminhões retidos acumularam milhares em perdas para os comerciantes de grãos.

Alguns produtores aguentam isto porque os portos do Tapajós ficam a apenas cerca de 965 km ao norte de Sinop, Mato Grosso, uma grande área produtora de soja. Mas é mais do que o dobro do grande porto sul de Santos, nos arredores de São Paulo.

Uma caminhonete se aproximando da obra da rodovia Transamazônica (BR-230) perto de Rurópolis, estado do Pará, Brasil. A BR-230 e a BR-163 são as principais rotas de transporte na nação brasileira.

Grande parte da pavimentação da BR-163 já havia acontecido nos quase 60 anos desde o início da estrada de terra de Cuiabá, Mato Grosso, até os portos do Rio Tapajós. Mas houve esse trecho persistente de 48 km que tem sido o destaque. E com razão, alguns dizem.

Eles apontam que já é ruim o suficiente que a velha estrada de terra BR-163 atravesse um parque nacional e saia muito perto das reservas indígenas. Mas aqueles contra a pavimentação do resto da rodovia federal temem que o progresso não pare por aí. Com o crescimento do tráfego de caminhões, provavelmente viriam serviços de reparo de pneus, paradas de caminhões, hotéis e assim por diante para esta área intocada.

Mas o atual governo, desinteressado em tais coisas, terminou o último trecho da BR-163, mobilizando um grupo de engenheiros do Exércita nação brasileiraeiro para finalizar as coisas.

Batalhões brasileiros de engenharia celebram a conclusão das operações de pavimentação da rodovia BR-163. A finalização da estrada pode diminuir os dispêndios de transporte de 15% a 20% e dobrar as vendas para fora do país de milho/soja do Mato Grosso dentro de 5 anos.

Preços mais baixos, mais soja e milho

A associação brasileira de britadores de oleaginosas estima que a conclusão da última estrada de terra de 48 km entre a capital do Mato Grosso e o porto de Itaituba dobrará as vendas para fora do país de milho e soja do Mato Grosso para os portos do Rio Tapajós dentro de cinco anos – isso acontecerá porque os dispêndios de transporte rodoviário devem cair 20% devido a tempos de trânsito mais rápidos, menos atrasos e assim por diante.

De acordo com os britadores, isso significaria que a BR-163 passaria de 10 milhões de toneladas de milho e soja para 20 milhões de toneladas até 2025.

Sua “vantagem competitiva” está prestes a diminuir.

Assessoria Especial de Comunicação
Ministério da Infraestrutura

Leia mais: http://transportes.gov.br/ultimas-noticias/9532-pavimenta%C3%A7%C3%A3o-da-br-163-%C3%A9-destaque-na-m%C3%ADdia-internacional.html