Carlos Da Costa destaca papel do setor produtivo no enfrentamento da pandemia do coronavírus

Secretário especial do Ministério da Economia apresentou medidas em teleconferência do presidente com empresários no Palácio do Planalto

por publicado: 20/03/2020 21h10 última modificação: 20/03/2020 21h10

20/03/2020 - Mitigação dos Impactos Econômicos do COVID-19

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, apresentou e detalhou, nesta sexta-feira (20/3), no Palácio do Planalto, em Brasília, as medidas que estão sendo adotadas pela equipe econômica em função da pandemia da Covid-19 (Coronavírus).

Em videoconferência de empresários com o presidente da República, Jair Bolsonaro, o secretário explicou que o governo realizou consultas com mais de 200 empresas do setor produtivo e resumiu os pleitos em 35 ações para atenuar a crise, sendo que 22 delas já foram implementadas ou estão em fase de implementação e outras sete estão em análise.

 “O momento é de união. Nesta crise que dura há mais de um mês, há setores fundamentais. Setores de plástico, automobilístico, químico estão na cadeia de fornecimento de esgoto, eletricidade, medicamentos e outros” Carlos Da Costa

 Ele destacou ainda que o setor produtivo deve empenhar papel fundamental no enfrentamento das dificuldades relacionadas à pandemia. “O momento é de união. Nesta crise que dura há mais de um mês, há setores fundamentais. Setores de plástico, automobilístico, químico estão na cadeia de fornecimento de esgoto, eletricidade, medicamentos e outros”, exemplificou.

Por isso, segundo o secretário, é importante que as empresas continuem operando, principalmente as pequenas e médias. Neste sentido, ele explicou como o governo está trabalhando em relação às necessidades apresentadas. “Os pedidos e sugestões dos empresários foram classificados em cinco dimensões: fôlego ao fluxo de caixa, oferta de bens e serviços, desburocratização urgente, flexibilização trabalhista emergencial e preservação do consumo responsável”, informou.

 O secretário disse que  o governo já reduziu os depósitos compulsórios dos bancos e está trabalhando para liberar novas linhas de créditos e garantias que, em breve, chegarão à ponta da cadeia. Na manutenção da oferta de bens e serviços, o governo isentou o imposto de importação para medicamentos e produtos relacionados a Covid-19 e está em fase adiantada na elaboração de medidas setoriais, além de acelerar o desembaraço marítimo.

 Em relação às desburocratizações, Carlos Da Costa, disse que está em implementação à antecipação de recebíveis de contratos que as empresas têm com a Administração Pública para garantir receita a elas neste período. O governo também analisa a redução de exigência para o teletrabalho e o abatimento das férias por dia não trabalhado por falta de demanda.

 “Estamos monitorando em tempo real vários setores para apresentar todas as ações que estão sendo analisadas e realizadas pelo Ministério da Economia que tenham impacto nas empresas. Assim, seremos ainda mais cuidadosos com os setores que são os mais afetados”, concluiu.