Governador faz videoconferência com prefeitos para alinhar ações no enfrentamento ao Covid-19

Para intensificar o alinhamento e o debate em torno das ações para o enfrentamento ao coronavírus no Rio Grande do Sul, como o fortalecimento da rede básica de saúde, o governador Eduardo Leite iniciou na manhã deste sábado (21/3) uma série de videoconferências com prefeitos dos municípios gaúchos.

A primeira conversa reuniu os líderes de dez dos maiores municípios do Estado, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, o diretor do Departamento de Regulação Estadual da Secretária da Saúde (SES), Eduardo Elsade, e a chefe do Centro Estadual de Vigilância em Saúde da SES, Tani Ranieri.

“É uma oportunidade para passar orientações e também dividir as experiências de cada um dos municípios. É importante o governo ter os insights para dar novas diretrizes e também é uma oportunidade de interação entre os prefeitos para ajudar a compreender o que está sendo feito e o que pode ser aprimorado”, disse o governador.

Participaram da primeira reunião os prefeitos de Canoas, Pelotas, Cachoeirinha, Rio Grande, Novo Hamburgo, Santa Maria, Erechim, Bento Gonçalves, Sapucaia do Sul e São Leopoldo. A partir de segunda-feira (23/3), novas reuniões com prefeitos de outros municípios estão previstas.

Além de detalhar alguns pontos dos decretos e falar sobre medidas adotadas pelas equipes da Secretaria da Saúde, o governador recebeu um retorno dos prefeitos em relação ao comportamento da população diante dos decretos publicados pelo Estado e pelos municípios e também sobre a estrutura disponibilizada para o atendimento dos pacientes e de casos graves. Também ouviu sugestões e preocupações dos gestores.

“A situação é séria, é grave, e precisamos muito do apoio dos prefeitos na ponta, nas restrições à população, e estamos aqui para ser acionados sempre que necessário para que possamos reduzir a transmissão e manter a situação dentro da capacidade de atendimento da nossa rede”, concluiu Leite.

Até fim da noite da sexta-feira (20/3),  56 casos de Covid-19 estavam confirmados no Rio Grande do Sul, onde já foi declarada transmissão comunitária do vírus. Ou seja, já não é mais possível identificar a origem da infecção. Todas as pessoas que tiverem sintomas como febre, coriza, tosse e dor no corpo, mesmo que não forem testadas, deverão ficar isoladas por pelo menos 14 dias.

Na sexta-feira (20/3), o governo atualizou o plano de contingência para o enfrentamento à doença, aumentando de cerca de mil para mais de 1,2 mil o número de leitos de UTI no SUS para o atendimento dos casos mais graves.

A SES está trabalhando para aumentar o número de testes disponíveis e intensificará os testes nos profissionais que estão atuando no atendimento dos casos confirmados e suspeitos para que haja o maior número de trabalhadores possível na rede de saúde.

Texto: Renan Arais
Edição: Vitor Necchi/Secom