Ministérios do Turismo e da Economia se reúnem com representantes dos agentes de viagens

CORONAVÍRUS

Representante do governo federal Marcelo Álvaro Antônio destacou as necessidades de medidas para o segmento

Por Victor Maciel

25_03_ministro.jpeg

Representante do governo federal Marcelo Álvaro conversou com representantes de agências de viagem por vídeoconferência. Crédito: Dênio Simões/MTur

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, se reuniu, nesta quarta-feira (25) com o secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa; e representantes da agências e operadores de viagens. O objetivo do encontro foi debater as propostas já encaminhadas ao governo federal para atender o segmento turístico que tem sofrido grande impacto com a pandemia do coronavírus.

Durante a reunião, Álvaro Antônio falou sobre a importância de ações imediatas para o segmento. “Temos muitas áreas que estão sofrendo com impactos de 90%, 100%. Então, nossa preocupação é adotar medidas rápidas para que possamos vencer essa crise e que a cadeia produtiva do turismo possa ser retomada com uma intensidade maior”, pontuou o ministro.

O secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, elogiou o trabalho e empenho do Ministério do Turismo e destacou as ações realizadas tanto para o segmento turístico quanto para os demais. “Nós precisamos tratar cada segmento com suas especificidades, mas com medidas transversais como: ações que atenue a queda da receita, previsibilidade de retorno, fundos de garantias, entre outros. Estamos dispostos a fazer tudo o que for preciso”, declarou.

Representando as agências de viagens, Magda Nassar, celebrou a intenção do governo em se criar fundos de garantias e solicitou a disponibilização de crédito para as empresas independentemente do tamanho. “Temos um primeiro pleito praticamente atendido, que seria o fundo de garantia, mas precisamos estender o crédito para os pequenos, médios e grandes empreendimentos”, finalizou.

Além de Magda Nassar, presidente da Associaçãa nação brasileiraeira de Agências de Viagens (Abav), participaram da reunião o presidente da Clia Brasil, Marcos Ferraz; o presidente da Associaçãa nação brasileiraeira das Operadoras de Turismo (Braztoa), Roberto Nedelciu e representante do BNDES.

SETOR HOTELEIRO – Mais cedo, o Representante do governo federal Marcelo Alvaro Antonio, acompanhado de integrantes do Ministério do Turismo, participou de uma reunião com representantes do segmento hoteleiro. Na pauta, ações que visam amenizar os efeitos da crise provocada pelo Coronavírus. O ministro fez questão de ressaltar que a pasta acompanha de perto a situação e não medirá esforços para auxiliar empresários e trabalhadores. Os representantes dos hotéis e pousadas destacaram que estas ações precisam ser colocadas em ação imediatamente, sob o risco de uma demissão em massa e um caos social. Para evitar justamente esse quadro, Marcelo Álvaro destacou que estão previstas várias intervenções por parte do MTur, com destaque para uma Medida Provisória (MP) que está em análise pelo Ministério da Economia e Casa Civil. Após essa avaliação, o texto, que – dentre outras coisas – apresenta alternativas para acordos entre empregadores e empregados, será assinado.

FUNGETUR – Anteriormente, em conversa com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezzano, o ministro do Turismo colocou à disposição a capitalização do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) junto à instituição. O objetivo é ampliar os R$ 381 milhões, já liberados pela Pasta. Nos últimos dias, a Pasta publicou portaria que amplia o prazo de carência de 6 para 12 meses e a queda nos juros de 7% para 5%.