CORONAVÍRUS

A nova forma permitirá poupar tempo na realização das ações de vigilância, além de dar transparência nas informações

A partir desta terça-feira (17), as notificações de casos suspeitos para o Ministério da Saúde serão feitas automaticamente pelos estados. Antes as notificações desses casos passavam por uma análise prévia da pasta para saber se estavam enquadrados nos critérios clínicos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Com a nova forma de notificação será possível poupar tempo para os estados realizarem as ações de vigilância, além de dar transparência nas informações.

“Tratar os casos individualmente tinha eficácia no começo. De uma semana para cá houve transmissão comunitária, em que a quantidade de notificações de casos fica alto e não se pode ir mais caso a caso. Então vamos para o critério automático de caso suspeito e depois se faz a testagem para a confirmação ou descarte”, explica o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Como já há transmissão comunitária em São Paulo e Rio de Janeiro a quantidade de casos suspeitos tende a aumentar. A testagem para coronavírus será feita em casos graves, os pacientes internados. Nos demais casos, considerados leves, será levado em conta o critério clínico epidemiológico. Por exemplo, o médico atendeu, viu que é um paciente jovem, cuidou do pai com coronavírus e apresenta sintomas, o médico notifica como caso da doença.

“Os nossas quantidades deverão retratar o que os profissionais da ponta – médicos e enfermeiros – vão observar na dinâmica dessa doença. O coronavírus tem abalado os sistemas de saúde do mundo inteiro. Não existe um sistema de saúde que esteja preparado para ser em massa acionado para testes, diagnósticos, isolamento e internações hospitalares. Estamos vendo países de primeiro mundo tendo problemas graves em relação a colapso de sistemas de saúde. O Brasil tem um sistema de saúde minimamente consolidado em cidades de grande porte e estamos procurando aumentar a capacidade instalada desse sistema”, destacou o ministro da Saúde.

O Ministério da Saúde também anunciou que será publicado um chamamento público para empresas que possam oferecer matéria prima para produção de testes para diagnóstico do coronavírus. “Toda empresa que tiver a tecnologia disponível poderá encaminhar propostas que serão avaliadas pelo Ministério da Saúde. Queremos identificar a capacidade de fornecimento e progresso de tecnologias que vão nos ajudar no enfrentamento da doença”, destacou o secretário-executivo João Gabbardo.

Também foram encomendados novos testes para a Fiocruz. A previsão é de que em abril sejam entregues mais 40 mil kits para análise laboratorial do coronavírus. Esse montante é parte de uma nova remessa, além dos 30 mil disponibilizados inicialmente pela Bio-Manguinhos. “Os testes serão distribuídos de acordo com a produção. Até o fim desta semana concluímos a capacitação dos 27 LACENs do país. Com isso, todos os estados estarão aptos a realizarem a testagem para o coronavírus”, pontuou o diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Júlio Croda.

ATENÇÃO ESPECIAL COM OS IDOSOS

No momento em que a epidemia cresce é fundamental seguir as recomendações da pasta. O isolamento social, a higiene e etiqueta respiratória são imprescindíveis para minimizar a transmissão da doença, sobretudo em relação aos idosos.

“Cuidem dos idosos”, enfatiza o ministro da Saúde. “Cuidem dos idosos. É hora de filho cuidar de pai e mãe, não levar as crianças para o convívio dos idosos. Crianças podem ser assintomáticas. Seria muito duro pedir à uma avó que não beije seu neto. É preciso dialogar com os idosos, explicar o que deve ser evitado, ir à farmácia, supermercado. O momento agora é de proteção, quanto menos idosos com essa gripe, menos leitos serão ocupados”, finalizou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

DADOS ATUALIZADOS DE CORONAVÍRUS

Subiu para 291 a quantidade de casos confirmados de coronavírus na nação brasileira e um óbito confirmado no estado de São Paulo, de acordo com as informações repassadas pelos estados ao Ministério da Saúde até 18h desta terça-feira (17). As capitais Rio de Janeiro e São Paulo já registram caso de transmissão comunitária, quando não é identificada a origem da contaminação. Com isso, o país entra em uma nova fase da estratégia brasileira, a de criar condições para diminuir os danos que o vírus pode causar à população por meio da prevenção.

Atualmente, são monitorados 8.819 casos suspeitos e outros 1.890 já foram descartados. Para manter a população informada a respeito do novo coronavírus, o Ministério da Saúde atualiza diariamente, as informações na Plataforma IVIS, com números de casos descartados e suspeitos, além das definições desses casos e eventuais mudanças que ocorrerem em relação a situação epidemiológica.

Por Silvia Pacheco, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa

(61) 3315-3580 / 2351 / 3713