Governo Federal prepara operação especial para trazer 240 milhões de máscaras ao Brasil

Ministério da Infraestrutura articula com aéreas alternativas para o transporte dos equipamentos adquiridos pelo Ministério da Saúde na China

carga aeroporto manausO Governo Federal prepara uma megaoperação para trazer ao Brasil 240 milhões de máscaras de proteção, adquiridas pelo Ministério da Saúde na China. O Ministério da Infraestrutura (MInfra), encarregado da logística, está fazendo consultas a companhias aéreas nacionais e estrangeiras para viabilizar o frete da carga, que soma 960 toneladas, a partir de Guangzhou. Para o transporte dos equipamentos, que devem começar a chegar ao Brasil em 15 dias, será concedido status de voo de Estado, com as prerrogativas de prioridade de pouso e decolagem.

O MInfra desenvolveu um plano de logística e distribuição, em apoio ao Ministério da Saúde, durante o enfrentamento ao Covid-19. O plano nacional abrange ações para garantir agilidade no transporte de material importado, no desembaraço aduaneiro nos aeroportos e na distribuição dos equipamentos entre as 27 unidades da federação. O ministério também está buscando parceiros privados dispostos a custear o frete das máscaras até o Brasil.

O Ministério da Infraestrutura mapeou toda a malha aérea essencial que segue operando, bem como a utilização de cargueiros comerciais, aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), veículos oficiais de estados e também o apoio de grandes empresas importadoras que ofereceram sua estrutura logística ao Governo Federal. “Num esforço de governo para enfrentar a pandemia, vamos garantir o transporte da carga de equipamentos médicos importados até o Brasil e a sua distribuição nos estados”, disse o ministro Tarcísio Gomes de Freitas. “Atuamos em estreita cooperação com a área da saúde para auxiliarmos sempre que houver gargalos ou dificuldades operacionais na estratégia já estabelecida para atendimento das necessidades do país”, destacou Freitas.

TESTES RÁPIDOS – Para trazer a carga de 960 toneladas de máscaras cirúrgicas de três camadas e também do modelo N95 ao Brasil, o MInfra estima que serão necessários até 40 voos, a depender do tamanho das aeronaves envolvidas. Cada voo pode durar 40 horas, desde a partida da China, envolvendo pelo menos uma escala, até a chegada ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. O Ministério da Infraestrutura também está em contato com o Itamaraty para definir as melhores opções de parada das aeronaves no exterior até a chegada ao Brasil.

Além da megaoperação, o Ministério da Infraestrutura já está atuando para viabilizar a chegada de pelo menos 11 voos cargueiros contratados pela Vale, também a partir da China, com 540 toneladas de testes rápidos, luvas, aventais, óculos, máscaras cirúrgicas e N95 doados pela empresa. O primeiro voo chegou na semana passada com 500 mil kits de testes rápidos. A segunda carga está prevista para chegar a São Paulo/SP na tarde desta quinta-feira (9), com kits e máscaras. A partir da capital paulista, os equipamentos serão distribuídos pelo Ministério da Saúde para todo o sistema.

A articulação do Minfra com companhias aéreas, operadores aeroportuários, Receita Federal, Polícia Federal, Anvisa e Vigiagro tem garantido as melhores alternativas de voos, rotas e agilidade no desembarque e na distribuição da carga nos estados. Nesta semana, o ministério agiu em parceria com o Governo de Roraima para fazer chegar ao estado, na quarta-feira (8), um carregamento de itens de proteção comprados em Santa Catarina. A carga partiu do Sul por transporte rodoviário até o Aeroporto Internacional de Guarulhos/SP. De lá, embarcou num cargueiro para o Aeroporto Internacional de Manaus/AM e, em seguida, até Boa Vista/RR de caminhão.

Assessoria Especial de Comunicação

Ministério da Infraestrutura