Os primeiras informações publicados pela Receita Estadual sobre os impactos da Covid-19 em segmentoes da economia do Estado revelam movimentações para cima ou para baixo importantes no mês de março. O Rio Grande do Sul demonstrou quedas expressivas, no período entre 21 e 27 de março, nas vendas de varejo (-43%), indústria (-35%), seguidos pelo atacado (-17%) quando comparadas com o período equivalente do ano passado.

Na semana anterior, entre 16 e 20 de março, as atividades apresentaram incremento de vendas, o que pode ter sido motivado por provável antecipação de compras devido às medidas de quarentena adotadas pelo governo do Estado. Esses dados de evolução das vendas estão sendo monitorados para identificar se esse será o patamar de estabilização nas próximas semanas.

Os dados foram publicados pela Receita Estadual na quinta-feira (2/4) e fazem parte de uma análise do impacto do Covid-19 com base em informações fiscais extraídas dos sistemas de inteligência da instituição, sobretudo dos documentos fiscais eletrônicos.

O objetivo do relatório, que será disponibilizado semanalmente nos portais da Secretaria da Fazenda e no Receita Dados (portal de transparência da Receita Estadual), é avaliar como a chegada do novo coronavírus está impactando os principais segmentoes da economia do Estado.

A análise compreende o período entre as primeiras medidas de quarentena adotadas pelo governo, no dia 16 de março, e 27 de março. São analisados a evolução da emissão de notas eletrônicas, as vendas e o preço médio dos combustíveis, o comportamento das vendas dos demais produtos e é apresentada uma visão do desempenho por tipo de atividade (indústria, atacado e varejo) e por segmento industrial.

“Inicialmente verificamos um leve crescimento nas vendas, impulsionado por grupos pontuais do varejo, como medicamentos, higiene e alimentos. No entanto, esse crescimento já foi superado com folga pelas quedas bruscas contabilizadas a partir da semana seguinte, com destaque para combustíveis, eletrônicos, vestuário e móveis”, destaca Ricardo Neves Pereira, subsecretário da Receita Estadual.

Os dados mostram que, embora todos os segmentoes tenham sido afetados, o impacto variou de acordo com a área. “Os dados publicados pela Receita Estadual são fundamentais para garantir transparência neste momento atípico, mas também para robustecer o processo de tomada de decisão do governo, visando proteger a saúde dos cidadãos gaúchos e minimizar os efeitos econômicos para o segmento público, para o segmento privado e para os trabalhadores”, avalia Ricardo Neves.

Boletim Receita RS impacto Covid 19

DESTAQUES 

Desempenho por tipo de atividade

Embora as três atividades (indústria, atacado e varejo) tenham experimentado crescimento na primeira semana, o que pode ser motivado por provável antecipação de compras, o período entre 21 e 27 de março registra quedas expressivas, com varejo e indústria com redução de 43% e 35%, seguidos pelo atacado, cujas vendas caíram 17%. Esses dados de evolução das vendas estão sendo monitorados para identificar se esse será o patamar de estabilização nas próximas semanas.

Desempenho por segmento industrial

O desempenho dos segmentoes industriais registra expansão em segmentos relacionados com consumo básico e higiene, embora já apresentem tendência de queda. Em segmentos relacionados à produção de bens de capital ocorreram reduções intermediárias no período, com atividades ainda não tão impactadas quanto as diretamente com relação ao consumo final. Os bens duráveis e semiduráveis, que têm impacto significativo na arrecadação, como o segmento coureiro-calçadista, registram quedas significativas em seus volumes de venda, com ampliação na última semana.

Vendas de produtos (exceto combustíveis e energia elétrica)

Na primeira semana, em relação a período equivalente do ano passado, houve crescimento nas vendas de alguns produtos, como medicamentos, materiais hospitalares, higiene e alimentos. As vendas de eletroeletrônicos, vestuário e calçados, por exemplo, registraram quedas expressivas no período.

Preço médio dos combustíveis

Este é um nova informação que passou a ser publicado no Receita Dados. Refletindo a condição da situação internacional do petróleo, os preços médios apresentaram queda no período recente. A gasolina comum, por exemplo, que chegou a atingir R$ 4,79 no final de janeiro, estava em R$ 4,62 no dia 16/3 e passou ao patamar de R$ 4,44 no dia 27/3, última data de análise do presente relatório.

Clique aqui e acesse o relatório completo.

Clique aqui e acesse o Receita Dados, para conferir informações diárias e em tempo real sobre arrecadação, documentos eletrônicos, combustíveis entre outros. (Melhor acesso em desktop) ou http://receitadados.fazenda.rs.gov.br/

Texto: Ascom Sefaz
Edição: Secom