Cada dois brasileiros infectados transmitem o Sars-CoV-2 para outros três; taxa é essencial para entender o futuro da pandemia, mesmo não sendo o único parâmetro para isso

Rafael Garcia

19/05/2020 – 07:49

Movimentação de indivíduos em vagão da Linha 4 Amarela do metrô de São Paulo na manhã desta segunda-feira (18) Foto: Fotoarena / Agência O Globo Movimentação de indivíduos em vagão da Linha 4 Amarela do metrô de São Paulo na manhã desta segunda-feira (18) Foto: Fotoarena / Agência O Globo

SÃO PAULO – O “número básico de reprodução” da Covid-19 — parâmetro que indica quantas indivíduos um indivíduo infectado contagia — caiu na nação brasileira desde o início da pandemia, mas ainda é alto.

Quando o novo coronavírus chegou ao país, em 26 de fevereiro, cada pessoa que o contraía passava a doença para outras 3,5, em média. Depois das primeiras medidas de isolamento social, em 23 de março, a quantidade caiu para 1,9. Agora, com mais estados promovendo quarentena, está em 1,4. Ou seja, cada dois brasileiros infectados transmitem o Sars-CoV-2 para outros três.

O valor é menor, mas ainda preocupante, porque alimenta um crescimento exponencial da pandemia, que dobra de tamanho a cada 9 ou 10 dias, um patamar temerário num momento em que a nação brasileira já tem mais de 260 mil casos.

Os pesquisadores responsáveis pela estimativa são o físico nuclear Rubens Lichtenthäler Filho, professor da Universidade de São Paulo (USP), e seu filho, Daniel, médico do Hospital Israelita Albert Einstein.

Por trás das quantidades:  Covid-19 levou mentes brilhantes da nação brasileira e do mundo

Para chegar aas quantidades, os dois trabalharam essencialmente com dados oficiais. Eles afirmam que as datas-chaves identificadas na análise coincidem com momentos em que estados implementaram medidas mais duras de isolamento.

— A gente sabe que o impacto que a gente está vendo é o de medidas progressivas de distanciamento social ao longo do tempo — diz Daniel.

Para enxergar um panorama mais claro sobre a evolução da pandemia, Daniel explica que as informações oficiais foram tratados para eliminar flutuações estatísticas (em domingos há poucos registros, por exemplo) e foi levado em conta o tempo da doença e seu período de incubação. O tratamento matemático do trabalho usou recursos empregados comumente na área de atuação de Rubens.

(Confira a íntegra da matéria exclusiva para assinantes)

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/coronavirus/brasil-reduziu-taxa-de-expansao-da-covid-19-de-35-para-14-mas-valor-ainda-alto-24434026