Em uma ação articulada do governo do Estado com prefeituras, Ministério da Saúde e Exército, o Rio Grande do Sul está entregando milhares de cestas básicas para populações que enfrentam situação de vulnerabilidade social devido à pandemia da Covid-19.

Liderada pela Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), a distribuição beneficia quilombolas, LGBTs, indígenas e povos de terreiro (indivíduos, em sua maioria de origem afro-brasileira, ligadas às comunidades religiosas de matrizes africanas). Ao todo, mais de 11 mil cestas chegarão às populações, mapeadas em quatro regiões do RS.

“O nosso agradecimento a todos esses parceiros pela logística e também pela definição dos beneficiários das cestas, que estão sendo fundamentais para o atendimento às populações vulneráveis”, disse o governador Eduardo Leite, durante transmissão pela internet, na terça-feira (12/5), quando começaram os carregamentos.

Cestas SJCDH 3a Secretários Covatti Filho (Agricultura) e Catarina Paladini (Justiça, Cidadania e Direitos Humanos) acompanharam embarques – Foto: Mauricio Tonetto / Ascom SJCDH

O transporte dos alimentos segue durante toda esta semana. As primeiras comunidades que receberam foram as indígenas de Tenente Portela e Osório. Nesta terça (19/5) e quarta-feira (20/5), 3.500 cestas serão transportadas para a região de Passo Fundo. Até o fim da semana, mais 1.500 unidades chegarão a populações vulneráveis de outras localidades, como a zona sul e a Campanha.

“Essa união de todas as frentes, do governo estadual e de instituições de apoio permitem que os alimentos realmente tenham a destinação correta. Isso é vital no cenário atual da pandemia que enfrentamos”, disse o secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Catarina Paladini.

O transporte das mais de 280 toneladas é feito pelo Exército, pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde e pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural.

“É muito importante essa relação de cooperação entre os órgãos do Estado. A agricultura gaúcha se favorece com isso, pois os beneficiários terão comida na mesa, em um momento de estiagem e dificuldades”, afirma o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho.

A Brigada Militar e a Secretaria da Saúde também são parceiras da SJCDH. O esforço coletivo garante que nenhum dos 145 municípios contemplados fique sem os alimentos.

Cestas SJCDH 1a

Quem receberá as cestas:
• Indígenas: 6.542
• Quilombolas: 3.500
• LGBT: 993
• Povos de terreiro: 633

Texto: Ascom SJCDH
Edição: Secom