As informações foram atualizadas até as 19h deste sábado (9) e repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde. Do total de casos, 61.685 estão recuperados e outros 83.627 seguem em acompanhamento

O Ministério da Saúde demonstrou, até as 19h deste sábado (9), 155.939 casos de coronavírus em todo a nação brasileira e 10.627 mortes provocadas pela doença. As informações foram atualizadas e repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde de todo o país. Do total de casos confirmados, 61.685 são considerados recuperados (39,6%) e outros 83.627 estão em acompanhamento (53,6%).

Nas últimas 24 horas, foram registrados 10.611 casos nos sistemas oficiais do Governo Federal, além de 730 novos óbitos, dos quais 234 ocorreram nos últimos três dias. Ou seja, a maior parte das mortes refere-se a outros períodos, mas foi inscrita de ontem para hoje após investigação concluída ou em andamento. Outros 1.880 óbitos seguem em investigação.

Veja o detalhamento de casos e óbitos por UF

Apesar de muitos municípios brasileiros ainda não registrarem casos confirmados nem óbitos da doença, de maneira geral o coronavírus está presente em todos os estados brasileiros. São Paulo segue concentrando a maior parte das notificações, com 44.411 casos e 3.608 mortes, seguido do Rio de Janeiro, que tem 16.929 confirmações e 1.653 óbitos. Os estados que apresentam o menor número de notificações são Mato Grosso do Sul, com 346 casos confirmados e 11 mortes, e Mato Grosso, que registra 502 casos e 16 mortes. Tocantins está na antepenúltima posição, com 572 casos e nove óbitos.

Situação do coronavírus até hoje – 09.05.2020

▶️ 155.939 diagnosticados com COVID-19
▶️ 83.627 em acompanhamento (53,6%)
▶️ 61.685 recuperados* (39,6%)
▶️ 10.627 óbitos (6,8%)
⏺️234 óbitos ocorreram nos últimos 3 dias
⏺️ 1.880 óbitos em investigação
*estimativas sujeitas a revisão.

Grupos de risco

Pessoas acima de 60 anos se enquadram no grupo de risco, mesmo que não tenham nenhum problema de saúde associado. Além disso, indivíduos de qualquer idade que tenham doenças pré-existentes, como cardiopatia, diabetes, pneumopatia, doença neurológica ou renal, imunodepressão, obesidade, asma, entre outras, também precisam redobrar os cuidados nas medidas de prevenção ao coronavírus.