Brasília (DF), 11/05/2020 – Sob coordenação da Vice-Presidência da República, foi deflagrada a Operação Verde Brasil 2. A missão desempenhada pelas Forças Armadas será em apoio aos órgãos de controle ambiental e de segurança pública para ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais direcionadas ao desmatamento ilegal e focos de incêndio na Amazônia Legal. 

Até o momento, são empregados 3,8 mil militares, 110 viaturas, 20 embarcações e 12 aeronaves das três Forças de Defesa. Os meios utilizados pelas Forças Armadas são acrescidos aos dos demais integrantes parceiros da missão. Participam dessa operação integrantes da Polícia Federal, Policia Rodoviária Federal, Instituta nação brasileiraeiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), Força Nacional de Segurança Pública, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam). 

Com recursos de R$ 60 milhões, a Operação será coordenada a partir do Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, que ativou três Comandos Conjuntos. São eles: Comando Conjunto Príncipe da Beira (CCj PB), para atuar na área englobada pelos estados do Acre, Rondônia e Sul do Estado do Amazonas; Comando Conjunto Barão de Melgaço (CCj BM), que atua em Mato Grosso; e Comando Conjunto Marechal Soares de Andrea (CCj MSA), que cobre a área englobada pelo Estado do Pará.

Em coletiva, para anúncio dos detalhes da missão, na tarde desta segunda-feira (11), o Representante do governo federal da Defesa, Fernando Azevedo, destacou que com a experiência da Operação Verde Brasil 1, que “foi muito bem, com fechamentos expressivos, temos um know-how junto com outros órgãos. Estamos adaptando um modelo dessa missão”, disse o Representante do governo federal.

O Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, ressaltou que o papel do Ministério da Defesa é de coordenação e controle. “As Forças Armadas não estão substituindo nem o IBAMA, nem o ICMBio, nem a Funai. A capilaridade delas permite o estabelecimento de bases que facilitem o trabalho de fiscalização e, principalmente, a segurança e a proteção dos agentes que realizam essas atividades”, explanou. Ele esclareceu ainda que também serão combatidos garimpos ilegais. 
 
O Representante do governo federal do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, ressaltou a importância dessa operação para o País. “A Amazônia Legal tem mais de 5 milhões de metros quadrados. Tudo lá é grandioso. O grande desafio é como otimizar recursos e meios onde há um vazio de presença humana e seríssimos problemas”, resumiu.

As ações da Operação Verde Brasil 2 vão ocorrer na faixa de fronteira, nas terras indígenas, nas unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas federais nos Estados da Amazônia Legal. A atuação das Forças Armadas está autorizada nos estados da Amazônia Legal que vierem a apresentar requerimento, levando em consideração que Acre, Mato Grosso e Rondônia já solicitaram.

A Operação Verde Brasil 2 vai de 11 de maio a 10 de junho. A determinação presidencial para o emprego das Forças Armadas em Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e ações subsidiárias foi publicada no Diário Oficial, conforme Decreto n° 10.341, de 06 de maio. 

Por Mariana Alvarenga
Foto: Alexandre Manfrim

Saiba mais: Governo Federal deflagra Operação Verde Brasil 2

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
(61) 3312-4071

Leia mais: https://www.defesa.gov.br/noticias/68878-defesa-destina-r-60-milhoes-para-combate-a-ilicitos-ambientais-na-amazonia-legal