Área devastada é a maior no mês desde o início do inventário feito pela Imazon

Rafael Oliveira

18/05/2020 – 21:28 / Atualizado em 18/05/2020 – 21:32

Desmatamento da floresta amazônica avançou em abril Foto: LULA SAMPAIO / AFP Desmatamento da floresta amazônica avançou em abril Foto: LULA SAMPAIO / AFP

RIO – A crise de Covid-19 e as medidas restritivas que vieram em seguida não frearam o desmatamento florestal na Amazônia. Pelo contrário. É o que indicam as informações do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) feito pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). De acordo com o relatório de abril, comunicado nesta segunda, foram 529 quilômetros quadrados de área devastada na região. Um recorde para o mês desde 2008, ano em que o inventário passou a ser realizado.

A área desmatada é superior à de cidades como Porto Alegre (496,8 km²) e Maceió (509 km²) e equivale a mais que o dobro de Recife (218 km²). Em relação a abril de 2019, quando 195 km² foram desmatados em toda a Amazônia Legal, o crescimento foi de 171%.

O acumulado desde janeiro é de 1.073 km², quase igual à área da cidade do Rio de Janeiro (1.255km²). Na comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 460 km² de desmatamento, o crescimento foi de 133%.

COMBATE:Governo apreende 23 retroescavadeiras em primeira semana de GLO na Amazônia

Em março, o crescimento já havia sido significativo: foram 254 km² de floresta derrubada, o que representou um crescimento de 279% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo o Imazon, o estado do Amazonas foi responsável pela maior parte do território desmatado.

Em abril, no entanto, Pará, com 32% das florestas derrubadas, Mato Grosso (26%) e Rondônia (19%) lideraram o ranking do desmatamento. O Amazonas veio em seguida, sendo responsável por 18% das áreas atingidas.

De acordo com o Imazon, a maior parte do território desmatado (60%) está em áreas privadas ou sob algum tipo de posse. Unidades de conservação (22%), assentamentos (15%) e terras indígenas (3%) completam a lista.

RECORDE:Desmatamento causado por garimpos na Amazônia aumenta 23% em 2019

No recorte anual também houve crescimento. De abril de 2019 a abril de 2020, uma área de 3.918 km² foi desmatada. É como se uma floresta com 2,5 vezes o tamanho da cidade de São Paulo tivesse sido posta abaixo. Em relação aos 12 meses anteriores (2.169 km²), o crescimento foi de 81%.

Confira, ano a ano, os fechamentos do desmatamento no mês de abril, segundo o Imazon:

2020: 529 km²
2019: 195 km²
2018: 516 km²
2017: 95 km²
2016: 183 km²
2015: 137 km²
2014: 101 km²
2013: 140 km²
2012: 71 km²
2011: 298 km²
2010: 65 km²
2009: 121 km²
2008: 156 km²

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/desmatamento-na-amazonia-em-abril-o-maior-desde-2008-24433655