Medida limita a concentração de indivíduos e permite que o governo faça compras sem a necessidade de realizar licitação

O Globo

17/05/2020 – 17:55 / Atualizado em 17/05/2020 – 17:57

Nayib Bukele, presidente de El Salvador Foto: Divulgação / Redes sociais da presidência de El Salvador Nayib Bukele, presidente de El Salvador Foto: Divulgação / Redes sociais da presidência de El Salvador

SÃO SALVADOR – O governo de El Salvador decretou estado de emergência na noite de sábado, argumentando a necessidade de frear as consequências do coronavírus no país. O presidente salvadorenho, Nayib Bukele, estendeu as medidas contra a doença sem a aprovação do Congresso, provocando uma avalanche de críticas sobre a inconstitucionalidade da medida.

Leia mais: População de El Salvador só poderá comprar comida duas vezes por semanaOs legisladores e promotores salvadorenhos prometeram hoje contestar o decreto, que eles disseram ter ultrapassado os poderes de Bukele. Menos de um ano depois de seu governo, Bukele vem irritando repetidamente grupos de Direitos Humanos, que apontam suas tendências autoritárias. Em fevereiro, Bukele e um grupo de soldados com armas automáticas ocuparam brevemente o Congresso.

Ampliada por 30 dias, restringe o tráfego nas zonas afetadas pela pandemia, limita a concentração de indivíduos e permite que o governo faça compras sem a necessidade de realizar um processo de licitação. Até sábado,  El Salvador demonstrou 27 mortes  e um total de 1.338 casos de Covid-19.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/el-salvador-decreta-estado-de-emergencia-sem-aval-do-congresso-24431968