Por trás dos números: Covid-19 levou mentes brilhantes do Brasil e do mundo

A perda parece ainda maior quando a doença atinge quem está trabalhando em pesquisas fundamentais para evitar a morte de outros. Na pandemia do novo coronavírus, a ciência também sofreu duras derrotas. Desde o início do ano, a Covid-19 levou dezenas de mentes brilhantes, que deixaram um legado de descobertas e avanços.

Leia:Histórias por trás dos números da Covid-19, homenagem do GLOBO

Alguns cientistas que morreram estavam diretamente envolvidos nos estudos para conter a pandemia, enquanto outros atuavam em campos parelhos e alguns já haviam se aposentado, mas seguiam presentes como exemplos a serem seguidos.

A pesquisadora Gilberta Bensabath, de 95 anos, vítima da Covid-19 Foto: Editoria de arte A pesquisadora Gilberta Bensabath, de 95 anos, vítima da Covid-19 Foto: Editoria de arte

Na semana passada, o país perdeu a pesquisadora Gilberta Bensabath, de 95 anos. Ela era referência em importantes pesquisas sobre arboviroses, incluindo a febre amarela, e outras doenças tropicais. Em 1975, Gilberta foi a primeira diretora do Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

Profissionais ainda em plena atividade também morreram, como o infectologista Maurício Naoto Saheki, de 41 anos, do Hospital Evandro Chagas e do Ambulatório de Leishmaniose do Instituto Nacional de Infectologia da Fiocruz. Já o químico e professor Luiz Di Souza, que morreu aos 61 anos, trabalhava pela popularização da ciência em escolas estaduais. Ele é lembrado com carinho por pagar cursos e eventos para seus alunos da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN).

No exterior, uma das primeiras e mais emblemáticas mortes na linha de frente do combate ao vírus foi a do médico chinês Li Wenliang, de 34 anos. Ele alertou o mundo sobre o novo coronavírus, cravando que, entre suas consequências, estava a síndrome respiratória aguda grave.

A Covid-19 levou outros nomes que fizeram história: o físico britânico John Houghton, de 88 anos, vencedor do Nobel da Paz em 2007, quando representou o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU; o pioneiro no descobrimento das alergias, William Frankland, aos 108 — foi ele quem esclareceu gerações sobre as reações ao pólen, à penicilina e aos problemas decorrentes de ambientes excessivamente estéreis; a cientista ugandense-sul-africana Gita Ramjee, de 63, que se dedicou à prevenção do HIV com foco nas mulheres e meninas da África; e James T. Goodrich, de 73, neurocirurgião pediátrico inglês celebrado por suas impressionantes cirurgias de separação de gêmeos siameses.

O valor do conhecimento

Para o presidente da Academia Brasileira de Ciências, Luiz Davidovich, fica a esperança de que essas mortes sejam reverenciadas por uma sociedade que valorize e invista mais na área.

— Essa pandemia mostrou ao mundo inteiro a importância da ciência. Estamos enfrentando uma tragédia, mas se não a utilizarmos para ganhar sabedoria, ficaremos reféns de um novo evento tenebroso mais à frente —afirma o acadêmico.

InfográficoOs números do coronavírus no Brasil e no mundo

Para Davidovich, os nomes aqui destacados e outros que, inevitavelmente, os acompanharão, também reafirmam a característica central no combate à pandemia: a de ela não se dar apenas no campo da ciência médica, mas em um espectro mais amplo. Nele estão profissionais da biologia, voltados para a pesquisa do comportamento do vírus nas células; da química, à procura de novos medicamentos; da física, com o foco na inteligência artificial; da matemática, com o desenvolvimento de estatísticas e prognósticos; da engenharia, com a criação de novos equipamento mais em conta.

E a urgência é a marca desse desafio. O diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Marcos Cyrillo, lembra, por exemplo, que a vacina contra a varicela demorou mais de 20 anos para ser lançada. E que nos anos 1980, quem contraía o HIV estava condenado à morte. Somente após décadas foi possível estabelecer um protocolo capaz de controlar a doença:

Hora da Ciência:Médicos e cientistas abordam diferentes aspectos da Covid-19

— Estamos à espera de uma vacina já para o fim do ano ou começo de 2021 que, historicamente, poderia demorar até duas décadas para ser distribuída. Isso só é possível porque há 80 vacinas sendo pesquisadas por governos e empresas particulares para que ela saia da forma mais rápida e eficiente possível.

É também por isso que, segundo Cyrillo, há tantos pesquisadores com 70 anos ou mais trabalhando normalmente, em pesquisas e laboratórios, todos no grupo de risco para o coronavírus:

— Eles não param porque são fundamentais (em suas mais diversas áreas) para a gente atender os doentes. Perder qualquer ser humano é delicado, mas perder um que é empenhado numa luta como esta é pior ainda.

Davidovich complementa, dimensionando a morte dos cientistas, acadêmicos e profissionais da saúde mundo afora por conta do coronavírus:

—Perde-se o conhecimento acumulado, a experiência — afirma.

Outras histórias

Tania Magali Oliveira da Silva
54 anos

Com todo o coração amava suas filhas, os animais e ajudar as pessoas. Dona no sorriso mais lindo do mundo.

Jocelina Silva Santos
44 anos

Na linha de frente contra o covd-19, ela ensinou, sem usar palavras, o significado da palavra “doação”.

Claudia Cassoli Alves
41 anos

“Eu quero viver!” dizia aquela que deixa um legado imortal de amor.

Augusto Soares
76 anos

Mal aprendeu a escrever o nome, mas lutou bravamente para que os filhos fizessem curso superior.

Mário Onishi
76 anos

Viveu sua vida sem incomodar ninguém. Tímido e reservado, para ele tudo estava sempre bem.

Por trás dos números é uma parceria com o projeto Inumeráveis

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/por-tras-dos-numeros-covid-19-levou-mentes-brilhantes-do-brasil-do-mundo-1-24430849