Cativante e determinada, assistente social atuava em ações para mitigar efeitos da pandemia entre populações vulneráveis

Gabriela Oliva*

20/05/2020 – 04:30

Gabriela Santos Silva Foto: Arquivo indivídual Gabriela Santos Silva Foto: Arquivo indivídual

“Você está vivo, esse é o espetáculo”, era a frase que Gabriela Santos Silva, de 27 anos, usava em seu perfil nas redes sociais. E foi assim que ela passou sua trajetória, celebrando. A moradora de Belford Roxo era conhecida pelo jeito cativante, carinhoso e meigo, refletido na sua determinação de transformar o mundo em um lugar melhor.

Assistente social na Superintendência de Proteção Social Básica do Rio, Gabi morreu na segunda-feira, vítima da Covid-19. Ela atuava em ações para mitigar os efeitos sociais da pandemia entre populações vulneráveis.

— A Gabi despertava o melhor em quem a conhecia, pois estava sempre disposta a fazer a diferença — diz Sheila Boechat, de 48 anos, sua colega de trabalho.

Leia:Histórias por trás das quantidades da Covid-19, homenagem do GLOBO

Amante de música pop e poesia, Gabi compartilhava pequenos gestos com quem amava. Por isso, sempre carregava balas e doces na bolsa — adorava guloseimas. Era vaidosa, gostava de maquiagens cor de rosa, apreciava perfumes marcantes e vestir estampas florais, que sintonizavam com sua personalidade romântica. Além disso, gostava de companhia para experimentar novas aventuras culinárias.

— Nos conhecemos em 2013, quando ela foi minha estagiária em Belford Roxo. Em 2019, nos reencontramos. Eu podia fazer várias coisas, mas quando ela chegava, eu parava. Ela chamava a atenção e tinha um carisma raro — lembra Sheila.

Era filha única, amada pelos pais, Edvaldo da Silva e Miar Santos, e seu noivo, Paulo Rogério.

*Estagiária, sob supervisão de Renan Damasceno

Gabriela Santos Silva Foto: Arquivo indivídual Gabriela Santos Silva Foto: Arquivo indivídual

 

Outras histórias

Flávia Aparecida Francisco Negri

41 anos

Tinha no ensino uma vocação. De voz doce e suave, dava as melhores palavras de consolo e incentivo. Morreu em Guarulhos (SP).

Osvaldo Broca

84 anos

O produtor rural não era de muitas palavras, mas deixou poesia em vida: 15 filhos, além dos netos. Morreu em Ampere (PR).

Ana Victor de Andrade

96 anos

Nana deixou história linda em cinco gerações: 8 filhos, 46 netos, 63 bisnetos, 37 trinetos e 1 tetraneto. Morreu em Cruzeiro do Sul (AC).

Edson José Cavalcante Maranhão

80 anos

Edson sempre recebia as visitas com quitutes. Depois, mostrava orgulhoso todas as suas plantas. Morreu no Rio.

Aparecida Costalongo da Silva

72 anos

Cida teve um amor na vida: o marido, Maneco. Querida como avó, mãe e amiga, sempre estava pronta a ajudar. Morreu em São Paulo.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/coronavirus/por-tras-dos-numeros-do-coronavirus-gabi-guardava-no-sorriso-vontade-de-mudar-mundo-1-24435999