Rio de Janeiro recebe hoje novos equipamentos contra a covid-19

Com a chegada de novos equipamentos, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse hoje (13)  que a cidade deverá mudar de estratégia e começar mais cedo o tratamento da infecção pelo novo coronavírus (covid-19).

O Rio terá novos respiradores para serem usados nos casos mais graves da infecção e tomógrafos, aparelhos que permitem a detecção precoce da doença. 

“Ao lado de cada tomógrafo vai ter uma pequena enfermaria. Aquela pessoa que vem descompensada, na diabetes ou pressão alta, já vai ficar ali para ser cuidada, mudando aquela estratégia de início, que as indivíduos iam para casa. Tinha esse medo de fazer com que os leitos ficassem esgotados, havia poucos leitos. Então, voltasse se tivesse febre ou falta de ar. Agora, não. Agora estamos mais preparados, graças a Deus, e agora não se pode esperar isso, tem que começar o tratamento já”, afirmou o prefeito, durante entrevista.

Hoje, o Rio recebe 150 respiradores, monitores e bombas infusoras, além de um milhão de máscaras e óculos, a serem usados por médicos, enfermeiros e técnicos para a proteção individual, vindos da China. Ontem, chegou a primeira remessa desses equipamentos. 

Hospitais terão novos respiradores 

Segundo Crivella, essas duas remessas possibilitarão o pleno funcionamento do Hospital de Campanha da Prefeitura, no Riocentro, com 80 novos respiradores e do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, que receberá 200 novos respiradores. Outros 20 irão para a Coordenação de Emergência Regional (CER) Leblon, na zona sul da cidade. A prefeitura estima um prazo de até dez dias para que os hospitais municipais estejam em funcionamento pleno para atender pacientes da covid-19.

A prefeitura aguarda ainda a chegada de mais respiradores e equipamentos comprados da China nos próximos dias 28, 29 e 30 de maio. Ao todo, 150 respiradores deverão desembarcar no Rio no dia 28; 150, no dia 29; e, 120 no dia 30. 

Os equipamentos que estão atualmente nesses locais, segundo Crivella, estão em ótimo estado e serão disponibilizados para outros hospitais. “Equipamentos novos são importantes nesses hospitais porque aqui nesses hospitais tenho os casos mais graves. Então, as indivíduos que estão com casos mais graves vão ter oportunidade de ter o equipamento mais novo”, explicou. 

Além dos respiradores, Crivella ressaltou que a prefeitura segue com a instalação de tomógrafos, que permitem a detecção precoce da doença. Os aparelhos deverão chegar ainda esta semana à Rocinha e Cidade de Deus, no Rio. 

Medidas de isolamento 

As medidas de isolamento social adotadas pela cidade do Rio de Janeiro podem se estender dependendo da curva de contágio pelo novo coronavírus. Segundo o prefeito, não há prazo para a suspensão das ações adotadas para o afastamento social.

“Na medida em que tenhamos leitos disponíveis em boa quantidade e curvas baixando, claro que vamos voltar. Não tem um carioca que não queira. Mas, temos que voltar com nível de infecção baixo e que não coloque em risco indivíduos com comorbidade [ocorrência de duas ou mais doenças com relação no mesmo paciente] e [desde que] tenhamos leitos para atender as indivíduos”, disse.  

A prefeitura do Rio de Janeiro bloqueou, até o momento, 13 áreas da cidade, que passaram a ter restrições à circulação de veículos e pedestres, visando evitar a expansão do novo coronavírus. Essas regiões ficarão cercadas por grades pelo menos até o próximo dia 18.  

De acordo com o secretário municipal de Ordem Pública, Gutemberg Fonseca, não se pode chamar as medidas adotadas de lockdown, que é o confinamento mais restrito de indivíduos e a liberação de funcionamento apenas de atividades essenciais. “Vamos chamar de bloqueio, bloqueio parcial. O bairro todo não está bloqueado, mas o fluxo  em pontos que persistem como pontos de aglomeração. A aglomeração hoje é nossa inimiga”, disse.

Sobre a reabertura de academias e salões de beleza, Crivella diz que ainda não é o momento para isso. “O presidente Bolsonaro, em seu decreto, deixou, no final, explícito que governadores e prefeitos poderiam, de acordo com a situação, tomar as decisões que achassem melhores. Não é impositivo”, disse e acrescentou: “Nós estamos vendo o Rio de Janeiro e entrando em contato com ele e explicando, aqui, as nossas preocupações com as curvas, que subiram”. 

Casos no Rio 

O Rio de Janeiro, capital, concentra a maior parte dos casos de novo coronavírus registrados no estado. De acordo com o último boletim da Secretaria de Estado de Saúde, comunicado ontem (12), foram confirmados, no estado, 18.486 casos. 

Até o momento, 1.928 indivíduos morreram por covid-19. Somente na capital, houve 10.816 casos confirmados e 1.279 indivíduos morreram em decorrência da doença.  

Em todo o país, de acordo com os últimas informações do Ministério da Saúde, 12,4 mil indivíduos morreram em decorrência do novo coronavírus. Foram confirmados 177,6 mil casos de contaminação pelo vírus. Ao todo, pelo menos, 72,6 mil indivíduos já se recuperaram da doença. 

*matéria atualizada às 15h05 para acréscimo de informações

Créditos: Agência Brasil