Iniciativa foi bem-sucedida em macacos e está em teste em humanos; fechamentos são esperados até agosto

O Globo, com Reuters

16/05/2020 – 05:30 / Atualizado em 16/05/2020 – 07:48

Farmaceuticas participam de uma corrida global pelo progresso da vacina para a Covid-19 Foto: Carl Recine / REUTERS Farmaceuticas participam de uma corrida global pelo progresso da vacina para a Covid-19 Foto: Carl Recine / REUTERS

RIO – A aguardada vacina para a Covid-19 terá um preço que permita seu acesso ser o mais amplo possível. E, sendo bem-sucedida, será produzida em larga escala para manter os dispêndios baixos e o abastecimento. É o que afirma Adrian Hill, diretor do Jenner Institute, da Universidade de Oxford, que trabalha ao lado da farmacêutica AstraZeneca.

– Não será uma vacina cara. Será uma vacina de dose única. E será fabricada para atender um suprimento global e em muitos locais diferentes ao mesmo tempo. Este sempre foi nosso plano – contou Hill à Reuters.

Conhecida como ChAdOx1 nCoV-19, a droga experimental é uma das pioneiras na corrida global pela vacina contra o novo coronavírus. Segundo a Reuters, dados preliminares de um estudo em seis macacos mostraram que alguns daqueles que receberam uma única injeção dela desenvolveram anticorpos contra o vírus em 14 dias. E que, em 28 dias, todos desenvolveram proteção.

COVID-19:Vacina daqui a um ano é cenário ‘otimista’, diz União Europeia

Quando os macacos foram expostos ao novo coronavírus, a vacina impediu danos aos pulmões e evitou que o vírus se reproduzisse. No entanto, ele ainda se replicava ativamente no nariz.

Hill classificou as informações de “encorajadores” e reforçou o alto grau de confiança de sua equipe de que os testes em andamento em humanos, iniciados em abril, também mostrarão fechamentos positivos. Ele acredita que em julho ou agosto já será possível saber se a droga funciona e qual o seu nível de eficiência.

POLÊMICA:Europa diz que EUA não devem ter prioridade em vacina contra coronavírus

De acordo com o professor, mais de 1.000 indivíduos fazem parte dos testes. Metade recebeu a vacina experimental. Já a outra metade serve como grupo de controle. Questionado sobre o progresso deste trabalho em humanos, Hill disse que ele e sua equipe “não farão comentários com o projeto em andamento”. Mas deu a entender que, até agora, está dentro do esperado:

– Você pode concluir que, se o teste ainda estiver em andamento, como certamente está, isso significa que não houve grandes transtornos.

É consenso entre especialistas em saúde e em doenças que o fim da pandemia passa pela descoberta de uma vacina contra o novo coronavírus. O desafio, no entanto, é encontrar uma que funcione e fabricá-la em doses suficientes.

1 milhão de doses em setembro

Segundo Hill, sete fábricas em todo o mundo trabalham no progresso da vacina. Entre elas, está o Instituto Serum, da Índia. As outras estão espalhados pela Europa e pela China. Ele assegura que até um milhão de doses estarão disponíveis em setembro.

A ChAdOx, que recombina vetores virais, usa uma versão enfraquecida do vírus do resfriado comum enriquecido com proteínas do novo coronavírus para produzir uma resposta no sistema imunológico do corpo. Ela não é a única na fase de testes em humanos. Os laboratórios Moderna (MRNA.O), Pfizer (PFE.N), Biontech SE (22UAy.F) e Biologics (6185.HK) fazem parte desta corrida.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/coronavirus/vacina-nao-sera-cara-diz-professor-da-universidade-de-oxford-que-desenvolve-projeto-de-prevencao-covid-19-24430581