Projeto da Prefeitura de Lajeado visita idosos atendidos na rede socioassistencial

O intuito é mantê-los próximos do CRAS Foto: Pietra Darde O intuito é mantê-los próximos do CRAS

A tarde desta quarta-feira, 22/07, ficou marcada por reencontros e alegria. Isso porque os profissionais do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Espaço da Cidadania, setor vinculado à Secretaria do Trabalho, Habitação e Assistência Social (STHAS), realizaram mais uma edição do projeto “O Cras na Minha Casa”. O grupo percorreu diversos bairros da cidade visitando idosos que integram o grupo de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV-S) do CRAS.

 

Antes das restrições impostas pelo coronavírus, os idosos do grupo participavam até três vezes por semana de oficinas com música, de habilidades manuais, aulas de alongamento e debatiam diferentes temas em rodas de conversas e assembleias, no CRAS. O objetivo do serviço é promover a socialização e a convivência comunitária, o envelhecimento ativo e saudável, bem como incentivar a autonomia, prevenir os riscos sociais e garantir os direitos e exercer a cidadania. 

 

O projeto “O Cras em Minha Casa” surgiu com o intuito de mantê-los próximos do CRAS em tempos de pandemia e também para amenizar a saudade que sentem um pelo outro. Na ação, o grupo composto pela assistente social responsável pelo grupo,  Elisabeth Schmidt, o instrutor de música, Glauco Rodrigues e a profissional de educação física, Patrícia Wenzel, levam até as casas dos usuários músicas, exercícios de alongamento e muita conversa. Além disso, as famílias recebem máscaras, que foram doadas pela Unimed VTRP, resultado de uma parceria com o CRAS.  Ainda, os profissionais prestam orientações sobre os cuidados que devem adotar em razão do coronavírus e esclarecimentos sobre os serviços nos quais os idosos possuem dúvidas, como, por exemplo, a atualização do Cadastro Único. Em casos de necessidade, uma nova visita é agendada para o atendimento individualizado.

 

Há cerca de 6 anos que Almerinda de Souza Vaz, 68 anos, participa das atividades oferecidas no CRAS. Ela foi uma das 5 pessoas que receberam a visita do serviço de convivência nesta quarta-feira. “Achei a iniciativa muito bonita. Mesmo eles estando longe, eles continuam por perto de alguma forma”, contou Almerinda, moradora do bairro Jardim do Cedro.

 

Por sua vez, Genédia Nedeff, aguardava ansiosa pela visita desde o meio-dia. Do portão da sua casa, já abanava para o grupo que chegava de longe. “Hoje eu ganhei o meu dia. Os profissionais deixaram minha quarta-feira mais feliz e contente com esta visita”, disse Genédia.

 

“A receptividade e a acolhida que temos em cada casa nos emociona. Isso só me motiva a pensar em outras possibilidades de transmitir a eles que ninguém está sozinho e que podem contar com o CRAS, inclusive nesse período que nos iguala ainda mais como seres humanos”, ressaltou Beth, assistente social.

 

 

Texto e fotos Pietra Darde

Créditos: Assessoria de Imprensa PML