Letramento Digital aborda práticas pedagógicas no Ensino Fundamental II

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) promoveu o penúltimo encontro do período de Letramento Digital das Aulas Remotas. O evento abordou nesta sexta-feira, 2 de outubro, práticas pedagógicas voltadas para o Ensino Fundamental II, compreendido entre o 5º e o 9º ano.

A palestra, que foi ministrada por Márcio Machado, especialista e pós-doutor em Inovação, contou com a presença da professora de Português e Inglês Taguimara dos Santos de Carvalho, de Santo Antônio da Patrulha. Ela mostrou aos espectadores a sua experiência com o Google Sala de Aula. Para tornar mais atraentes os recursos da plataforma, a docente personalizou o ambiente com um desenho que simula a sala de aula física de uma de suas turmas de Inglês. Os estudantes podem acessar as ferramentas a partir de ícones que representam cada atividade que antes era presencial e, agora, tem sido remota.

“A sala de aula está sendo usada pelos meus alunos para pesquisarem conteúdos que eles já viram neste ano. Lá tem o link do áudio, no qual eles ouvem a minha voz para saberem as instruções de uso, e cada ícone representa uma ferramenta que eles podem usar. Este recurso é muito útil, especialmente com os alunos mais novos”, destaca.

Flávia Pinheiro, que leciona Português, História e Geografia na Escola Santo Agostinho, em Erechim, foi outra convidada da live. Elacriou o projeto “De olho no mundo”, no qual usa notícias como a crise da água no Rio de Janeiro, a tragédia de Brumadinho e os incêndios na Austrália para abordar alguns conteúdos. Também criou materiais com o uso de cores e figuras, para ensinar gramática, e elaborou quizzes sobre os conteúdos ao final.

“Com essa pandemia, senti a necessidade de tornar os conteúdos mais atrativos, para que os alunos não vissem o computador e o celular apenas como ferramentas para jogos Vejo que eles participam mais das atividades quando eu crio recursos interativos”, destaca Flávia.

A terceira convidada foi Elisângela Frois Cunha Ledur, educadora especial que atua na Escola Unírio Carrera Machado, de Santo Ângelo. Com o software Broadmaker, a docente criou atividades gamificadas personalizadas para seus alunos – para uma aluna, elaborou um jogo que ensinava números decimais, por exemplo, enquanto para outra a brincadeira era ligada à alfabetização.

“O Letramento mostrou possibilidades que os professores, muitas vezes, nem percebiam que tinham, e vejo que eles estão se superando a cada dia. Vemos diferentes níveis de conhecimento e todo mundo conseguindo se superar na medida das suas possibilidades, e é isso que falamos na Educação Especial: cada aluno tem seu próprio ritmo, mas todo mundo é capaz”, garante Elisângela.

Segundo Machado, o objetivo do Letramento Digital é construir alicerces. “Nossa ideia é fazer com que os professores se sintam mais seguros para seguirem aprimorando seus métodos”, pontua.

Letramento Digital

Em relação à formação dos professores, a Secretaria Estadual da Educação (Seduc) iniciou, no dia 27 de julho, mais uma fase do período de Letramento Digital das Aulas Remotas da Rede Estadual de Ensino. A capacitação, que segue até 5 de outubro, tem como foco o desenvolvimento das atividades dos professores nas ferramentas do Google for Education e na plataforma Google Sala de Aula.
As aulas ao vivo ocorrem nas segundas, quartas e sextas-feiras, sempre às 14h. Nas terças e quintas às 17h e no sábado às 11h, ocorrem as lives para tirar dúvidas dos educadores. A transmissão ocorre sempre pelo canal do YouTube TV Seduc RS.

Aulas Remotas

Para que todos estejam preparados para as Aulas Remotas, a Secretaria Estadual da Educação do Rio Grande do Sul realiza capacitações para utilização da plataforma Google Sala de Aula com os professores da Rede Estadual de Ensino. A iniciativa compõe o modelo híbrido de ensino, que também compreende as aulas presenciais.

Créditos: SEDUC RS