Anvisa recebe novo pedido para uso da vacina da CanSino

0 0
Read Time:2 Minute, 20 Second

Governo do Estado de São Paulo Profissional de saúde segura seringa e ampola com dose de vacina Governo do Estado de São Paulo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu nesta semana um novo pedido de uso emergencial da vacina contra Covid-19 Convidecia, fabricada pelo laboratório CanSino. A solicitação foi feita pela farmacêutica brasileira Biomm, que no início de outubro anunciou acordo para representar a fabricante chinesa no Brasil. Se o pedido for aprovado, há previsão inclusive de o imunizante ser produzido no País.

Administrada em dose única, a vacina da CanSino é aplicada atualmente na população adulta de países como Chile, Argentina, México e Rússia. Estudos conduzidos pela empresa chinesa indicam que o imunizante teria eficácia geral de 68,83% após 14 dias da aplicação. Para casos graves de Covid-19, a eficácia seria de 95,47% no mesmo período.

O pedido de uso emergencial, informou a Anvisa, foi enviado na última segunda-feira, 8, e já está em análise pela equipe técnica. Como protocolo, as primeiras 24 horas são dedicadas a uma triagem do processo para verificar se os documentos necessários estão disponíveis. Se faltarem informações importantes, a agência pode solicitar as informações adicionais ao laboratório.

No caso deste pedido, em especial, a Anvisa apontou que o processo foi disponibilizado para a equipe técnica na quarta-feira (10). Com isso, a triagem inicial deve ser concluída nesta quinta-feira (11), determinando quais serão os próximos passos.

O prazo de análise previsto na legislação é de sete dias úteis. Esse período, no entanto, não considera o tempo do processo em status de exigência técnica, que ocorre quando o laboratório precisa responder questões técnicas feitas pela agência.

Ao Estadão, o CEO da Biomm, Heraldo Marchezini, explicou em entrevista realizada em outubro que, caso o uso emergencial da vacina da CanSino seja aprovado no País, a farmacêutica brasileira prevê produzir “em um segundo momento” o imunizante em sua planta localizada em Nova Lima (MG), região metropolitana de Belo Horizonte.

Pedido anterior

Em maio deste ano, a farmacêutica Belcher solicitou uso emergencial da vacina da CanSino no País. No final de junho, contudo, a Anvisa encerrou o processo de análise da autorização temporária, em caráter experimental, da vacina chinesa da CanSino após um desacordo entre a fabricante chinesa e sua então representante no Brasil. Em nota, a agência explicou que o processo foi encerrado “sem a continuidade da avaliação de mérito do pedido”.

A negociação entre a Belcher e a Cansino foi alvo de suspeitas levantadas pela CPI da Covid, conduzida pelo Senado. Integrantes da comissão de inquérito analisaram se empresários bolsonaristas fizeram lobby para incluir o imunizante na lista do governo. A Belcher, que é de Maringá, no Paraná, tem entre os sócios pessoas próximas ao ex-ministro da Saúde Ricardo Barros, hoje líder do governo Bolsonaro na Câmara.

– Curta e Compartilhe!

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %