Projeto da Prefeitura de Lajeado identifica problemas de visão em alunos das escolas municipais

0 0
Read Time:3 Minute, 9 Second

Com o objetivo de identificar dificuldades oftalmológicas precoces e disponibilizar tratamento adequado, a Prefeitura de Lajeado, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), desenvolveu o projeto De Olho no Futuro. O projeto atua para examinar crianças de 5 a 7 anos que estejam apresentando dificuldade visual e disponibilizar o tratamento adequado de forma gratuita. 

 

O projeto iniciou com a procura por médicos oftalmologistas e óticas parceiras que aceitaram fazer os exames e tratamento das crianças de forma voluntária. No total, nove médicos e quatro óticas concordaram com a parceria (confira abaixo quem são os parceiros).

 

A triagem das crianças é feita nas próprias escolas municipais, com o auxílio da coordenadora pedagógica e da professora, que identificam os alunos com algum sintoma de problema de visão. Em quatro escolas municipais, a Ótica Diniz realizou a triagem com um aparelho específico para identificar problemas de visão.

 

As turmas do 1° e 2° ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental Vitus André Mörchbächer fizeram o teste de visão nesta sexta-feira, 19/11. As alunas Emanuelle Primaz Zanatta, 7 anos, e Giovana Oliveira Brietzke, 7 anos, estavam nervosas antes de fazer a triagem. 

 

– Eu estava nervosa no início, mas depois fiquei tranquila e gostei de fazer. Consegui acertar todas as letrinhas, não achei difícil – falou Emanuelle. 

 

– Eu gostei muito de fazer, achei divertido. Acho bem importante fazer esse teste porque quero enxergar bem sempre – falou Giovana. 

 

Com uma conversa calma, o consultor das Óticas Diniz, Gabriel Garcia, explicava como o teste funciona para todas as crianças. 

 

– A Diniz se propõe em estar sempre em busca desses projetos, não para angariar clientes e sim para fazer com que estes pequenos problemas oftalmológicos sejam descobertos ainda cedo e ter como resolver. Quanto mais cedo é descoberto, mais fácil é de tratar –  explicou Gabriel.

 

A diretora da escola, Daniela Rockenbach, destacou a importância desses projetos, uma vez que a escola é um dos lugares em que os alunos forçam mais a visão. 

 

– Cuidar da visão e identificar problemas logo cedo é muito importante, porque nestas idades as crianças estão na fase da alfabetização e o desempenho depende ainda mais da visão. A atuação dos professores nesse projeto também faz diferença, já que são eles que percebem quando um aluno está com dificuldades na sala de aula, em enxergar o quadro, fazer trocas ortográficas ou não identificar os sinais. Ficamos felizes de poder proporcionar isso para os nossos alunos – falou Daniela.

 

Os alunos que apresentam alguma dificuldade são encaminhados para uma consulta detalhada com os médicos oftalmologistas parceiros do projeto para o diagnóstico de dificuldades e indicar o tratamento. Em casos de crianças com necessidade de utilizar óculos de grau, será feita a avaliação e o óculos de forma gratuita. 

 

Médicos oftalmologistas parceiros:

Cláudia Loureiro

Daniel Pandolfi

Diether Schmidt

Jiovana Friedrich

Lara Nogueira

Lino Girardi

Paulo Conte

Pedro Henrique Lopes

Thomaz Rodrigues

Tiago Lansini

 

Óticas parceiras:

Daniel Óculos

Ótica Amazonas

Ótica Diniz

Ótica Esmeralda

Óticas Carol

Sul Ótica

 

Créditos: Assessoria de Imprensa PML

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %